sexta-feira, 18 de maio de 2007

LA ROCHEFOUCAULD (3)

LA ROCHEFOUCAULD

Máxima 5

“A duração de nossos paixões não depende mais de nós que a duração de nossas vidas.”

Máxima 26

“Nem o sol nem a morte podem ser olhados fixamente.”

Máxima 32

“O ciúme se alimenta da dúvida e torna-se fúria ou acaba, tão logo se passa da dúvida à certeza.”

Máxima 67

“A elegância é para o corpo o que o bom senso é para o espírito.”

Máxima 70

“Não há disfarce algum que possa, por muito tempo, ocultar o amor onde ele existe, nem fingi-lo onde não existe.”

Máxima 93

“Os anciões gostam de ministrar bons conselhos a fim de se consolarem de não estar mais em condições de dar maus exemplos.”

François de La Rochefoucauld foi um nobre que escreveu apenas dois livros. Um de memórias e outro de máximas. Filho do duque de Poitou, suas máximas foram publicadas pela primeira vez em 1664, anônimas. Retrabalhadas, reapareceriam em 1678. La Rochefoucauld faleceu em 1688.

LA ROCHEFOUCAUD, François VI de. Reflexões e Máximas Morais. Tradução de Alcântara Silveira. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1969.

3 comentários:

belinha disse...

Já tinha saudades das máximas!!!:-)
Contratei um assistente, o Merlin!
Bom fim de semana James!

Meg disse...

Uau! Uau!
James, adorei a primeira... fiqueiparada e depois volto para ler as emais.
beijos

Lord Broken Pottery disse...

James,
Adorei a 26.
Grande abraço