quinta-feira, 14 de junho de 2007

ELISA LUCINDA

RECONSTITUIÇÂO
(Elisa Lucinda)

Tive de repente
saudade da bebida que eu estava bebendo...
tive saudade e tentei me lembrar que gosto faltava,
qual era a bebida...
Fui procurando entre copos e móveis
e dei com sua boca.

A saudade era dela
A bebida era o beijo.


LUCINDA, Elisa. O Semelhante. Rio de Janeiro, Record, 1998.

4 comentários:

Entre linhas... disse...

A saudade é uma bebida que nos deixa um travo na garganta amargo, seco e triste..só o tempo..

Bom fim de semana
Bjs Zita

Phiwuipa disse...

Desde já lhe agradeço a visita pelo meu blog :)! E comentando o seu comentário... :) Como costumo dizer, difícil não é sinónimo de impossível.

*Beijinhos*

Denise Silva disse...

A saudade de outro corpo que já fez parte de nós leva-nos a ter sede de voltar a encontra-lo e a querê-lo para sempre a nosso lado.

Obrigada pela visita ao meu blog.
Passarei por cá mais vezes!

Solitária disse...

A saudade... acho que todos a sentimos!
beijinhos