terça-feira, 3 de julho de 2007

CHUANG TZU (5)

A ALEGRIA DOS PEIXES
(Chuang Tzu)


Chuang Tzu e Hui Tzu
Atravessavam o rio Hao
Pelo açude.

Disse Chuang:
“Veja como os peixes
Pulam e correm tão livremente:
Isto é a sua felicidade”.

Respondeu Hui:
“Desde que você não é um peixe
Como sabe
O que torna os peixes felizes?”

Chuang respondeu:
“Desde que você não é eu,
Como é possível que saiba
Que eu não sei
O que torna os peixes felizes?”

Hui argumentou:
“Se eu, não sendo você,
Não posso saber o que você sabe
Daí se conclui que você,
Não sendo peixe,
Não pode saber o que eles sabem”.

Disse Chuang:
“Um momento:
Vamos retornar
À pergunta primitiva.
O que você perguntou foi
“Como você sabe
O que torna os peixes felizes?”
Dos termos da pergunta
Você sabe evidentemente que eu sei
O que torna os peixes felizes.

“Conheço as alegrias dos peixes
No rio
Através de minha própria alegria, à medida
Que vou caminhando à beira do mesmo rio”.


CHUANG TZU, considerado o maior escritor taoista de cuja existência se tem notícia, escreveu sua obra no final do período clássico da filosofia chinesa, de 550 a 250 aC.

MERTON, Thomas. A Via de Chuang Tzu. Petrópolis: Editora Vozes, 1974.

3 comentários:

aNNaFLaVia disse...

Seria algo do tipo "vemos nos outros o que temos em nós"?


Beijo
E brigada' pela gentileza.
;)

av disse...

Bom texto, James, e parabéns pela escolha do Escher para cabeçalho do seu blog. É um dos pintores que mais admiro, sobretudo pela matemática pura que ele sabia transformar em arte.
Vou voltar mais vezes.

bjs
ana

Sei que existes disse...

Texto sábio e interessante!
Beijos