terça-feira, 18 de novembro de 2008

FERNANDO PESSOA (11)



Fernando Pessoa
Em
Escritos autobiográficos, automáticos e de reflexão pessoal.







“Aqueles que sofrem, aqueles que se consomem, desejam descanso; não desejam o horror da continuação de uma vida pessoal, o ilusório e horrível escárnio do credo cristão.

Todos os homens desejam descanso, repouso.

O descanso, o repouso, é pois a condição da felicidade.

Mas ai! A matéria está em perpétuo movimento.

Quando um homem se mata, não o faz, não pode fazê-lo, na esperança de continuar a viver com a mesma personalidade.

Pode dizer isso, pode agir nesse sentido, mas implicitamente, ao suicidar-se, espera apenas e verdadeiramente anular a sua personalidade, entrar no eterno não – ser.

Ou então alcançar uma vida melhor.

Não é felicidade fugir à personalidade”.





PESSOA, Fernando. Escritos autobiográficos, automáticos e de reflexão pessoal. Edição e colaboração de Richard Zenith, com a colaboração de Manuela Parreira da Silva. Traduções do inglês de Manuela Rocha. São Paulo: Editora Girafa, 2006.

2 comentários:

Simples Assim.. disse...

adorei a visita e o espaço por aqui..
add.
beijos e namastÊ.

Carol Rocha disse...

Eu penso no suicídio (= morte) como uma passagem para um mundo melhor...

Não quero me matar, mas confesso que ando tão cansada...