quinta-feira, 2 de julho de 2009

ADELINO FONTOURA



ATRAÇÃO E REPULSÃO
(Adelino Fontoura)





Eu nada mais sonhava nem queria
Que de ti não viesse, ou não falasse;
E como a ti te amei, que alguém te amasse,
Coisa incrível até me parecia.

Uma estrela mais lúcida eu não via
Que nesta vida os passos me guiasse,
E tinha fé, cuidando que encontrasse,
Após tanta amargura, uma alegria.

Mas tão cedo extinguiste este risonho,
Este encantado e deleitoso engano,
Que o bem que achar supus, já não suponho.

Vejo, enfim, que és um peito desumano;
Se fui té junto a ti, de sonho em sonho,
Voltei de desengano em desengano.








BANDEIRA, Manuel. Antologia dos Poetas Brasileiros. Poesia da Fase Parnasiana. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, s/data.

Sobre Adelino Fontoura clique no linque abaixo:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Adelino_Fontoura

3 comentários:

Anna Flávia disse...

Acontece assim mesmo. O encanto e o desencanto.

Beijo!

Cackau Loureiro disse...

Que espaço ótimo querido, ative a função do blog de "seguidores"para que nós leitores nunca perdemos o seu contato!

Volto com minhas xícaras de café quentinhas para ler-te!

Karine disse...

Retribuindo a visita e a gentileza!
Vejo que por aqui também se tem muito bom gosto!
Abraço!